30 abril, 2010

Este país não é para corruptos - RAP

Toca a Braga


http://clix.visao.pt/este-pais-nao-e-para-corruptos=f556937


Em Portugal, há que ser especialmente talentoso para corromper. Não é corrupto quem quer

3:41 Quinta-feira, 29 de Abr de 2010 – Ricardo Araújo Pereira

Portugal é um país em salmoura. Ora aqui está um lindo decassílabo que só por distracção dos nossos poetas não integra um soneto que cante o nosso país como ele merece. "Vós sois o sal da terra", disse Jesus dos pregadores. Na altura de Cristo não era ainda conhecido o efeito do sal na hipertensão, e portanto foi com o sal que o Messias comparou os pregadores quando quis dizer que eles impediam a corrupção. Se há 2 mil anos os médicos soubessem o que sabem hoje, talvez Jesus tivesse dito que os pregadores eram a arca frigorífica da terra, ou a pasteurização da terra. Mas, por muito que hoje lamentemos que a palavra "pasteurização" não conste do Novo Testamento, a referência ao sal como obstáculo à corrupção é, para os portugueses do ano 2010, muito mais feliz. E isto porque, como já deixei dito atrás com alguma elevação estilística, Portugal é um país em salmoura: aqui não entra a corrupção - e a verdade é que andamos todos hipertensos.

Que Portugal é um país livre de corrupção sabe toda a gente que tenha lido a notícia da absolvição de Domingos Névoa. O tribunal deu como provado que o arguido tinha oferecido 200 mil euros para que um titular de cargo político lhe fizesse um favor, mas absolveu-o por considerar que o político não tinha os poderes necessários para responder ao pedido. Ou seja, foi oferecido um suborno, mas a um destinatário inadequado. E, para o tribunal, quem tenta corromper a pessoa errada não é corrupto - é só parvo. A sentença, infelizmente, não esclarece se o raciocínio é válido para outros crimes: se, por exemplo, quem tenta assassinar a pessoa errada não é assassino, mas apenas incompetente; ou se quem tenta assaltar o banco errado não é ladrão, mas sim distraído. Neste último caso a prática de irregularidades é extraordinariamente difícil, uma vez que mesmo quem assalta o banco certo só é ladrão se não for administrador.

O hipotético suborno de Domingos Névoa estava ferido de irregularidade, e por isso não podia aspirar a receber o nobre título de suborno. O que se passou foi, no fundo, uma ilegalidade ilegal. O que, surpreendentemente, é legal. Significa isto que, em Portugal, há que ser especialmente talentoso para corromper. Não é corrupto quem quer. É preciso saber fazer as coisas bem feitas e seguir a tramitação apropriada. Não é acto que se pratique à balda, caso contrário o tribunal rejeita as pretensões do candidato. "Tenha paciência", dizem os juízes. "Tente outra vez. Isto não é corrupção que se apresente."

29 abril, 2010

SOS Sete-Fontes



No passado dia 22 de Abril, foi publicado um artigo no jornal Diário do Minho, com declarações da Directora Regional da Cultura do Norte. Nele frisava que «está em permanência a acompanhar o dossier das Sete Fontes» e que, «porque há compromissos urbanísticos assumidos, há que ter em conta que há terrenos comprados que têm direitos assumidos de construção (...)». Neste contexto, foi com profunda preocupação que o grupo de peticionários se reuniu, no dia em que se celebra o Planeta Terra. O planeamento urbano sustentável não pode ser estruturado com base em compromissos imobiliários e estes não podem sobrepor-se ao interesse público e ao bem-estar das populações. A preservação deste Eco-Monumento arquitectónico e arqueológico, rico em Flora, Fauna e Água, tem de ser definitivamente garantido.

Nesta reunião estiveram presentes vários técnicos da área do planeamento, entre os quais o ex-vereador do trânsito da Câmara Municipal de Braga, o Engenheiro Casais Baptista. Após detalhada análise das plantas rodoviárias do concelho de Braga e do ante-projecto da variante de acesso ao futuro Hospital, concluíram que a variante à EN 103, prevista para a zona sensível do Monumento Nacional, não constitui uma via estruturante para a cidade de Braga e para o novo Hospital. Essa variante serviria as freguesias bracarenses da zona Nascente e os concelhos da Póvoa de Lanhoso e Vieira do Minho e abriria caminho a mais especulação imobiliária nos terrenos que está prevista atravessar. A actual variante do Fojo foi executada precisamente para dar resposta ao trânsito que se acumulava na EN 103, na zona de Gualtar, pelo que não faz sentido construir uma nova variante a Norte desta freguesia. Para além disto, saiu reforçada desta reunião a ideia de que existem alternativas viáveis ao actual ante-projecto. Será apenas necessário criar uma via de acesso ao Hospital a partir da variante circular de Braga, acesso que termina neste equipamento essencial à cidade, não se desenvolvendo para Norte. Seria também necessário melhorar os acessos a partir da zona Nascente da cidade de Braga. Esta proposta tem muito menos custos para o erário público e causa menos impacto na zona protegida Sete Fontes.

Em nome da Terra, em nome de Portugal, de Braga e do Património, pedimos que seja garantida a salvaguarda deste imóvel classificado e da zona verde envolvente.

o grupo peticionário

26 abril, 2010

FuteBoys tem rosto

Pedido de divulgação
projecto editorial código das Palavras e da Revista FuteBoys

Agradeço que divulgue o máximo possível o projecto editorial Código das Palavras, proprietária da Revista Futeboys e seu respectivo site (http://www.futeboys.pt/)
Tendo em conta, que é um projecto absolutamente independente dos sectores políticos, religiosos, grupos económicos, lóbis maçónicos, bem como dos sectores económicos do futebol e outros, etc., etc.,
Na actual conjuntura só terá êxito se os sectores da sociedade civil o apoiarem militantemente. Por essa razão e atendendo ao prestigio que o Blog de V. Exa tem hoje na sociedade portuguesa apelo que o divulgue o mais possível na blogosfera.
Atentamente
O filho do Alfarrabista, secretário do projecto

24 abril, 2010

Porque hoje é Abril

Era eu um pequenote que frequentava o antigo Ciclo Preparatório.
Por volta das 11 horas do histórico dia 25 de Abril, recebemos instruções dos professores, para irmos direitinhos para casa, porque tinha ocorrido uma revolução.
Para mim, tal como para o resto do pessoal, o importante é que nesse dia não iriamos ter mais aulas.
Quando me dirigia para a paragem do Autocarro, na Av. Central, dei por mim junto de uma multidão gritando "O POVO UNIDO JAMAIS SERÁ VENCIDO".
Passaram-se 36 anos, somos livres,
Tal como a criança, quando for grande não vou combater. E não fui
Tal como a papoila, somos livres de crescer. Cresci pensando livremente
Será que somos um povo que cerra fileiras? É que a liberdade de pensar foi-se esvanecendo.
Portugal precisa de outro 25 de Abril
Somos livres, mas poderemos voltar atrás


20 abril, 2010

Reabriu o espaço aéreo europeu


Especialistas mandaram abrir os aeroportos de toda a Europa. Afinal, o pó no ar era dos cachecóis dos benfiquistas

17 abril, 2010

Google insiste em silenciar o FARRICOCO


Definição do dicionário
farricoco
far.ri.co.co
(ô) sm 1 ant e pop Cada um dos indivíduos que conduziam aos ombros os caixões nos enterros da Misericórdia; gato-pingado. ~
2 ant Aquele que acompanhava as procissões de penitência, vestido de hábito escuro e com capuz a cobrir-lhe a cara, tocando trombeta de espaço a espaço.
3 ant O capuz que se usa nessa circunstância.
4 Blogue bracarense de referência

O Farricoco é um blogue de referência na cidade de Braga. Sua voz é incómoda e há quem queira calar a sua trombeta que se ouve em todos os cantos do mundo.

Na semana Santa de 2009, o portal Google considerou-o como não pertencente ao "espaço Schengen da Net", criando dificuldades aos visitantes.

Um ano após, exactmente, o cerco apertou-se e, quem quiser pesquisar o termo "farricoco" na net, nunca é encaminhado para o dito blogue, ou seja, tem que entrar via outros bloques, pois esta palavra foi cortada deste importante(?) motor de busca.

Lá que tentem silenciar a Moura Guedes, comprar a TVI, corromper esses criminosos de colarinho branco, ainda vá que não vá. Agora quererem Silenciar o nosso Farricoco, isso é nunca o permitiremos.


Caríssimo Farricococo, estou solidário contigo nesta luta.

Por cada blogue que tentem silenciar, outros 10 aparecerão no seu lugar.


A bufaria não passará!

Controlam tudo até quando?????



Exmº Senhor
Presidente da ASAE
No passado dia 16 de Dezembro de 2009, apresentei a V. Exª uma denúncia com o seguinte título:
DENÚNCIA DE COMPORTAMENTO ILEGAL DE DIRECTOR-GERAL DE EMPRESA MUNICIPAL DE BRAGA
A este processo atribuíram V. Exªs o nº E/149902/09/SC.
Nessa denúncia disse o seguinte:
"Venho desta forma, denunciar o comportamento no mínimo impróprio, mas, sem dúvida ilegal e indigno do Director-Geral da AGERE - Empresa de Águas, Efluentes e Resíduos de Braga, E.M., com sede na Praça Conde Agrolongo, nº 115, Braga.
Tal como a designação indica, esta Empresa dedica-se à captação e fornecimento de água ao concelho de Braga. Mas, entre outras tarefas, também tem a missão de manter a Cidade Limpa, ou seja, cuidar do ambiente. É precisamente de ambiente que o Director-Geral, desta Empresa não entende ou não quer entender.
Vivemos num País Democrático, livre, mas infelizmente ainda não civilizado. Isto porque, se houvesse alguma civilidade, não seria possível esta Empresa ter a dirigi-la, uma personagem, no mínimo pouco civilizada.
O Cidadão comum, poderá desconhecer 99,99% das Leis deste País, mas, por certo, conhecerá a Lei que proíbe expressamente que se fume em Espaços Públicos Fechados, incluindo como é óbvio, os locais de trabalho. Eu sei! De facto é inacreditável! O Director Geral da AGERE, Empresa que deve dar o exemplo de preservação do ambiente, tem a desfaçatez de fumar dentro do seu gabinete sempre que lhe apetece. Não seria muito grave se fosse apenas ele a aguentar com a fumarada, mas, eu e muitos dos meus colegas, no exercício da nossa profissão, precisamos de lá entrar e com ele ter reuniões e nem aí ele se coíbe de puxar a cigarrada, ou seja, ELE ESTÁ ACIMA DA LEI."
Nesse e-mail, disse que iria dar conhecimento do mesmo, à comunicação Social e assim fiz. Passados dias, ouvia-se dizer na Empresa que o "Sr. Director" deu instruções para que ninguém fumasse dentro da Empresa, porque alguém tinha feito queixa a um jornalista, que as pessoas lá fumavam. Claro que nenhum jornal publicou a notícia, apenas avisaram o infractor, devem pensar que será melhor para o jornalismo! Não se perdeu tudo, porque durante muito tempo, as pessoas não fumavam nos gabinetes de trabalho.
Mas, este gesto de respeito ou medo, durou pouco tempo. Nos últimos dias, todos os colegas que não fumam, sentem-se indignados, pois o tal "Sr. Director", voltou a "marimbar-se para a lei! E vai daí, ainda fuma mais do que fumava antes da denúncia, nitidamente numa atitude provocatória.
Claro está! Se o "Sr. Director" fuma no gabinete de trabalho, as outras chefias e são muitas, sentem-se no mesmo direito e voltou tudo ao inicio. Numa Empresa Municipal, onde deveria imperar o respeito pela Lei, verifica-se precisamente o contrário.
Peço a V. Exª. Que ordene uma fiscalização a esta Empresa Municipal, a fim de fazer cumprir a Lei e explicar a esta "gente" que não está acima da mesma. Já vivemos há muito em Democracia, mas infelizmente, ainda não se nota muito.
Sem mais, subscrevo-me com elevada estima e consideração.
Braga, 27 de Fevereiro de 2010
Anibal Acacio.


e qual foi o desfecho?

De: Anibal Acacio
Data: 17 de abril de 2010 19:32
Assunto: Proc. nº E/149902/09/SC. DENÚNCIA DE COMPORTAMENTO ILEGAL DE DIRECTOR-GERAL DE EMPRESA MUNICIPAL DE BRAGA
Para: correio.asae@asae.pt


Exmº Senhor
Presidente da ASAE

Ontem, dia 16 de Abril de 2010, os Senhores Inspectores da ASAE visitaram as instalações da AGERE - Empresa de Águas, Efluentes e Resíduos de Braga, E.M., com sede na Praça Conde Agrolongo, nº 115, Braga: Eu digo visitaram porque, de facto, tratou-se de uma visita de cortesia e não de uma acção inspectiva. Não sendo para uma visita de cortesia que V. Exª os mandou lá. Eu sei que a missão destes Inspectores era mesmo investigar se alguém na Agere estava a desrespeitar a chamada Lei do tabaco, cfr. denuncia referida em assunto e que abaixo transcrevo. E porque razão sei?! Simplesmente porque assisti ao triste "papel" que os Srs. Inspectores fizeram. Ainda não tinham entrado na Empresa e já os Srs. Contínuos estavam numa correria a irem aos gabinetes das pessoas que lá fumavam, para despejarem e esconderem os cinzeiros e ainda, perfurarem os locais para disfarçar, obviamente mal, o cheiro a tabaco, tudo isto com anuência do Director-Geral, Eng. Mário Araujo, porque era ele mesmo a dar o mau exemplo de desrespeito pela Lei e não a Administração. Como toda a gente na Empresa sabe, até a própria Secretária pessoal do Directo - Geral fumava no gabinete. E para o "enredo" ser completo, os Srs. Inspectores disseram à Secretária da Administração que iriam arquivar o processo, porque tinham verificado que mais uma vez perderam tempo com uma denuncia anónima. O caricato, é que, disseram isto, precisamente à pessoa que a seguir ao Director-Geral e respectiva Secretária, mais fumo faz no seu próprio gabinete, talvez porque é sobrinha do mesmo. Ou seja, para a próxima vez, peço ao Sr. Presidente que envie Inspectores que pelo menos tenham olfacto.
Resumindo, quando se foram embora, foi uma gargalhada geral, com muita pena minha. Como diria o Ex-Primeiro-Ministro, "é a vida!"

Subscrevo-me com elevada estima e consideração,

Braga, 17 de Abril de 2010

Anibal Acacio



OBS: Mas que filho da puta de país vivemos nós?
Queremos a Cidinha campos em Braga

15 abril, 2010

14 abril, 2010

09 abril, 2010

Quanto mais ladrão, mais querido - olha se moda chega ao nosso parlamento

Brasil - "Quanto mais ladrão, mais querido" - discurso da Deputada Estadual Cidinha Campos



No passado dia 24 de Março, a Deputada Estadual brasileira, Cidinha Campos, não fez a coisa por menos e, sem "papas na língua", falou sobre os ladrões da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro e de um deputado em especial. A Câmara ouviu-a no mais profundo silêncio...

Mulher com tomates (grandes)no sítio.....Cá em Portugal, eles falam, falam.....



Extraído de "O Corta-Fitas"

03 abril, 2010

INVERSÃO DE VALORES - CARTA DE UMA MÃE PARA OUTRA MÃE

*Carta enviada de uma mãe para outra mãe no Porto, após um telejornal na TV:

De mãe para mãe...

'Vi o seu enérgico protesto diante das câmaras de televisão contra a transferência do seu filho, menor, infractor, do estabelecimento prisional de Custoias para o de Lisboa.
Vi a senhora a queixar-se da distância que agora a separa do seu filho, das dificuldades e das despesas que passou a ter para visitá-lo, bem como de outros inconvenientes decorrentes daquela mesma transferência.
Vi também toda a cobertura que os media deram a este facto, assim como vi que não só a senhora, mas igualmente outras mães na mesma situação, contam com o apoio de Comissões Pastorais, Órgãos e Entidades de Defesa de Direitos Humanos, ONG's, etc...

Eu também sou mãe e, assim, bem posso compreender o seu protesto. Quero, com ele, fazer coro. No entanto, como verá, também é enorme a distância que me separa do meu filho.
Trabalhando e ganhando pouco, idênticas são as dificuldades e as despesas que tenho para visitá-lo.
Com muito sacrifício, só posso fazê-lo aos domingos, porque labuto, inclusive aos sábados, para auxiliar no sustento e educação do resto da família. Felizmente conto com o meu inseparável companheiro, que desempenha, para mim, importante papel de amigo e conselheiro espiritual.

Se a senhora ainda não sabe, sou a mãe daquele jovem que o seu filho matou cruelmente num assalto a um vídeo-clube, onde o meu filho trabalhava durante o dia para pagar os estudos à noite.

No próximo domingo, quando a senhora estiver a abraçar, a beijar e a fazer carícias ao seu filho, eu estarei a visitar o meu e a depositar flores na sua humilde campa rasa, num cemitério da periferia...

Ah! Já me ia esquecendo: e também ganhando pouco e sustentando a casa, pode ficar tranquila, pois eu estarei a pagar de novo, o colchão que seu querido filho queimou lá, na última rebelião de presidiários, onde ele se encontrava cumprindo pena por ser um criminoso.
No cemitério, ou na minha casa, NUNCA apareceu nenhum representante dessas 'Entidades' que tanto a confortam, para me dar uma só palavra de conforto, e talvez indicar quais "Os meus direitos".

Para terminar, ainda como mãe, peço "por favor":
Faça circular este manifesto! Talvez se consiga acabar com esta (falta de vergonha) inversão de valores que assola Portugal e não só...
Direitos humanos só deveriam ser para "humanos direitos" !!!

01 abril, 2010

COINCIDÊNCIAS QUE FAZEM PENSAR.....

Notícia de ontem do site da RTP:
-40% dos portugueses com perturbações mentais

Sondagem da semana passada divulgada na comunicação social:
- PS recolhe 40% da preferência de voto dos Portugueses

E ainda há quem não acredite em sondagens...

A Procissão da Burrinha e o chapéu da Senhora

Três questões:
1ª - Na Procissão da Burrinha, toda ela alusiva ao Antigo Testamento, porque é que a senhora que vai montada no bicho temioso, tem um chapéu ao estilo Texano, Boliviano, Venezuelano???
2ª - No supracitado evento, os autarcas da cidade, independentemente da ideologia marcaram presença. Porque é que o MM não marcou presença e enviou as duas moças e o super-rapazinho? Pelo facto da organização pertencer a uma Junta de freguesia de outra cor?
3ª - Amanhã o MM irá perder a oportunidade de desfilar junto ao D. Jorge, ou vai mandar os seus subditos para representarem a CMB ao mais alto nível?