31 agosto, 2009

P'ra que lado virou o Seco Magalhães?

clicar na imagem para ampliar

Já não me identifico com o PP.
Afinal com quem se identifica Seco de Magalhães?
Fico muito satisfeito em ter derrotado o PS.
E agora tem as duas damas do seu lado.
Vamos lá entender este senhor.
Com quem se identifica?
As duas damas que procuram ?
Por: António Esteves Ferreira (Candidado do BE à AF de Maximinos)

Eles roubam mas fazem (IV)



O exemplo: Um todo-terreno, de fato-macaco e mãos nos bolsos. Meter a mão ao bolso, será este o segredo?

Eles roubam mas fazem (III)

26 agosto, 2009

Juntos por Maximinos

Coligação Juntos Por Braga
Maximinos
Unidos com Ricardo Rio
Os eleitos locais pela coligação, despediram-se da população, no intuito de moralizar e credibilizar a candidatura de Ricardo Rio, tendo como principal objectivo o seguimento de linhas orientadoras permissíveis de uma união entre todas as forças políticas, em projectos centralizadores de desenvolvimento sustentável de todo o concelho.
Ao despedirmo-nos politicamente da população, esperávamos que aqueles que defendem uma linhagem pluralista congregados de objectivos em torno de Ricardo Rio, fosse coerente e não tenta-se demagogicamente criar atritos denegrindo concidadãos espalhando a revolta junto da população, tentando desesperadamente criar fricção de forma a facilitar outra candidatura socialista já fragilizada e sem sentido, não respeitando, tentando dividir a população e descredibilizar politicamente os autarcas em exercício, que não receberam qualquer ordem de suspensão do seu mandato, pelo contrário, tem sido agraciados pelas forças politicas pela qual foram eleitos.
Até à tomada de posse da nova assembleia, estaremos de pedra e cal, com Ricardo Rio e lamentamos que os propósitos de uns tantos senhores do burgo, tão desatentos que estão, não se sintam feridos politicamente por estarem cegos, apelando-se a que reconsiderem afirmações que tem vindo a ser espalhadas contra eleitos locais, que deram provas de grande seriedade politica no desenvolvimento da freguesia com reconhecimento e mérito do o seu trabalho na comissão politica e pelos actuais autarcas em assembleia de freguesia, exercendo funções até final do mandato, não permitindo a chacota politica de arraia miúda, tentando denegrir e retirar apoio a Ricardo Rio. Sub-repticiamente maldizendo, porque não sabem que fazer.
A seriedade dos eleitos locais, foi ao longo destes 4 anos consubstanciada por uma total união entre todos, de forma a ultrapassar obstáculos, que apenas dizem respeito ao desenvolvimento da freguesia, tendo em vista a demonstração de qualidades e visão do que deverá ser o empreenderíamos local, para que serenamente seja passado o testemunho ao Dr. Ricardo Rio, sem sobressaltos ou questiúnculas que agora se tentam fazer correr na freguesia, porquanto teremos muito que fazer como a requalificação da EB! de Maximinos que não avançou o Gimnodesportivo da Frei Caetano Brandão, as reparações da Secundária, a ampliação do Jardim de Infância da Ponte Pedrinha obra aprovada à longo tempo, de muitas outras iniciativas aprovadas e sem pernas para andar, mas que agora sairão e podemo-lo garantir da gaveta, com Ricardo Rio a presidente.
É obrigação de todos quantos se dizem sociais-democratas, na hora de viragem unirem-se em torno de um projecto sustentável e não virem para a praça pública, questionar posições políticas de candidatos ou eleitos sociais-democratas, tentando dividir, lamentando profundamente, que se tente a todo custo criar espectros de facilidade que possam desvirtuar os caminhos da vitória em Maximinos do Dr. Ricardo Rio.
Por tudo continuaremos atentos, ás movimentações politicas, não dando para politiquices chauvinistas, porquanto com o nosso estatuto continuaremos pavios e seremos a defender a candidatura de Ricardo Rio e de todos os que a ela se vão juntar, tendo como objectivo o desenvolvimento sustentável da cidade de Braga, pelo que uma vez mais, apelo a todos os maximinenses que considerem o apoio ao Dr. Ricardo Rio. Como grande motivo para votarem, desafiando todos os autarcas eleitos ou a eleger a publicamente darem a mão, a quem abnegadamente tem dado mostras de grande qualidade para o exercício de funções, como o Dr. Ricardo Rio, que esperamos ver eleito com maioria absoluta.
O Eleito Local
José Manuel Rodrigues Ferreira
Coligação Juntos Por Braga

É este o apoio a Maximinos

300 Mil € e obras.

Todos me querem eu quero alguém
Quero o meu negócio não quero mais ninguém.

Este é o programa eleitoral de Mesquita Machado/ Seco de Magalhães
Se duvidas existiam?
Este é o verdadeiro programa político de Seco de Magalhães.

Por: António Esteves Ferreira (Candidato do Bloco de Esquerda)

Quem fiscaliza esta gente?

Para que serve a Assembleia de Freguesia de Maximinos?
Será que não existe?


Concurso para obras na Junta de Freguesia.
Duas empresas a concurso, envelopes preenchido pela mesma funcionária caligrafia igual e os mesmo erros de ortografia.
Praceta e Sena
Que acham disto?
Grande chouriçada
Enviado por António Esteves Ferreira

24 agosto, 2009

Escola Primária de Maximinos

Há 42 anos, viu-se a luz no fundo do túnel


Decreto-Lei n.º 47665
Atendendo a que a Câmara Municipal de Braga representou ao Governo no sentido de lhe ser cedida uma parcela sobrante do terreno onde se encontrava edificada a escola primária oficial da freguesia dos Maximinos, do referido concelho, para execução do plano de urbanização; Considerando o elevado interesse que da cedência resulta para o desenvolvimento e melhoria das condições urbanas daquela cidade: Usando da faculdade conferida pela 1.º parte do n.º 2.º do artigo 109.º da Constituição, o Governo decreta e eu promulgo, para valer como lei, o seguinte:
  • Artigo único. É autorizado o Ministério das Finanças a ceder, pela Direcção-Geral da Fazenda Pública, a título definitivo, à Câmara Municipal de Braga, a parcela, com a área de 747,20 m2, sobrante do terreno anteriormente ocupado pelo edifício da escola primária oficial da freguesia dos Maximinos, demarcada na planta anexa a este diploma e que dele faz parte integrante, mediante o pagamento da compensação de 134496$00, para efeitos de urbanização do local.
  • § 1.º O imóvel cedido poderá reverter para o Estado, por despacho ministerial, sem direito a qualquer restituição ou indemnização, se não for aplicado ao fim em vista.
  • § 2.º A cessão efectivar-se-á por meio de auto a lavrar na Direcção de Finanças do distrito de Braga, o qual constitui título bastante para efectivação dos respectivos registos, e é isenta de impostos.

Publique-se e cumpra-se como nele se contém.
Paços do Governo da República, 3 de Maio de 1967.
AMÉRICO DEUS RODRIGUES THOMAZ
António de Oliveira Salazar
Manuel Gomes de Araújo
Alfredo Rodrigues dos Santos Júnior
João de Matos Antunes Varela
Ulisses Cruz de Aguiar Cortês
Joaquim da Luz Cunha
Fernando Quintanilha Mendonça Dias
Alberto Marciano Gorjão Franco Nogueira
José Albino Machado Vaz
Joaquim Moreira da Silva Cunha
Inocêncio Galvão Teles
José Gonçalo da Cunha Sottomayor Correia de Oliveira
Carlos Gomes da Silva Ribeiro
José João Gonçalves de Proença
Francisco Pereira Neto de Carvalho.
Ministério das Finanças, 3 de Maio de 1967. - O Ministro das Finanças, Ulisses Cruz de Aguiar Cortês.

42 anos após, a referida escola encontra-se numa situação de preocupante degradação, ao que tudo indica, sem nunca ter sido alvo de verdadeiras obras de restauro.


Neste sentido, o nosso leitor, António Esteves Ferreira, enviou-nos as seguintes fotos, acompanhadas de um compreensível desabafo:
"escola devia ser encerrada por falta de condções
O amor ao ensino de Seco de Magalhães/ Mesquita Machado
"

O amor ao ensino pode ser cego, mas nunca pode ser seco. Por altura de uma exposição alusiva aos lenços dos namorados, realizada em Fevereiro do corrente ano, Seco Magalhães, anunciou, que as obras, pensadas em 2005 e orçadas em 900.000 €, “Em princípio começam em Junho, só se existir algum constrangimento, visto que a obra está em concurso público".
No entanto, os alunos, demonstrando excelente veia poética, não perderam a oportunidade de lhe dedicar uma quadra irónica:
“Querido S. Valentim
não te lembres só dos namorados,
lembra-te também da nossa escolinha
que está a cair aos bocados”.

Há 42 anos, ordenava-se: Publique-se e cumpra-se como nele se contém. Hoje protela-se e anuciam-se e executam-se as obras (de preferência a conta-gotas) apenas em períodos eleitorais e com fortes possibilidades de constarem novamente no programa eleitoral seguinte.
"Caríssimos maximinenses
Vamos todos lutar por isso
Exigir aos governantes
Mais escolas e menos chouriço"

20 agosto, 2009

Porque é que os 3 blogues do "eixo do mal" incomodam tanto?

A era da malditagem?




Alguém pretende desviar as atenções do essancial para o acessório.
Para ofuscarem o BragaMaldita e o Farricoco, criaram o blogue FarricocoMaldito e o comentador "O terror do Maldito Anibal", com endereço alojado em http://www.casefazemcasepagam_psd_ps.com/ (já agora, pode apagar este rasto sff., é que já sabemos de quem se trata)

Porque será?

18 agosto, 2009

Ana Galvão, vítima dos interesses social-mesquitistas?

A última confissão de Anita
.......
Para mim que sempre votei no PS e em Mesquita Machado, e depois de ouvir pessoas mais velhas da família do meu marido, passou a ser uma novidade dizer que a força que Mesquita Machado detém em grande parte nas freguesias do Concelho advém quase na totalidade de aliciamentos.

Dizer isto há um mês atrás para mim seria impensável, mas hoje, pelo que vivi, pelo que senti, sou obrigada a reconhecer que politicamente estive enganada e que muitas vezes, quando ouvia certas críticas e objecções à política no nosso Concelho designadamente por Zé de Braga em Bracara Angustia, Farricoco e BragaMaldita,entre outros, julgava que eram motivadas mais por interesses obscuros que se moveriam na sombra para dificultar a vida a Mesquita Machado e ao PS do que propriamente por razões de facto que tivessem a ver com a realidade e fossem objectivamente verdadeiras.

Hoje compreendo que as chamadas "vozes da desgraça" tinham razão e que não é apenas uma questão de serem do contra por serem do contra ou serem adeptos do bota-abaixo que as faz dirigir as críticas que tecem à realidade do nosso Concelho.....

Ver postagem completa "aqui"

Os presidentes andam a dormir ou fingem que não vêem?

Há comentários, que dão excelentes postagens....Assim como poderiam dar excelentes casos de polícia...
Anónimo disse...
É uma pouca vergonha!!! Mas a melhor é porem todos os utentes da piscina na rua às 18,30h e depois todos os "trabalhadores" da mesma, bem como o secretário Francisco Ferrete tomam a sua banhoca à borla até às 20h.
Digam lá que não é o máximo!?... Qualquer simples mortal paga 2€.
´E excelente ter uma piscina privativa paga com o dinheiro de todos nós... E pelo que se ouve vai o secretário candidatar-se à Junta....
17 de Agosto de 2009 22:14
Realmente é este tipo de gentinha que nos governa.
Eles roubam mas fazem.....essa é que é essa e o povo, ignorante e inculto, ainda bate palmas....

17 agosto, 2009

15 agosto, 2009

PROT-N em discussão

Como é do conhecimento público, o PROT-N está em discussão, como entendo que a actuação da CCDR-N desde que existe tem sido altamente prejudicial principalmente no que diz respeito a Braga, mas também em relação ao seu Distrito e à consolidação urbana do triângulo definido por Braga-Famalicão-Guimarães, vou comunicar através de email, todos os pontos que entendo errados no PROT-N publicado, pontos esses comunicados à entidade competente, através do site disponibilizado para a discussão do PROT-N.

Sabendo que o PROT-N é um elemento fundamental para a Região e em específico para Braga, na definição de prioridades dos projectos que poderão receber dessa forma o apoio dos fundos comunitários, não entendo como o tratamento tão prejudicial que já ocorre desde os primeiros quadros de apoio comunitário e se perpetua neste novo PROT-N, não faz parte da agenda política e ainda não mereceu qualquer posição pública por parte dos candidatos à CMB.

Posto isto, aqui fica o primeiro ponto:

Discordo da definição da Rede Viária Estruturante de Articulação Externa (RVEAE), que está ilustrada na figura 2 (PROT-N - ACESSIBILIDADES-APB.pdf)
http://i245.photobucket.com/albums/gg64/karlussantus/PROT_NLigaesregionaisexternas.jpg

-Por vários motivos o troço BRAGA-CHAVES, dum IP BRAGA-CHAVES-Bragança (BCB), é a RVEAE e não o troço IC5, “Fafe-Vila Pouca de Aguiar”.

-O nível de prioridade e importância foi portanto invertido, e só a ignorância ou a intencionalidade permitiram que assim o fosse.

Este ponto está totalmente errado, pelos seguintes motivos.

Articulação externa e nível regional:
O “IP BCB”, a nível regional permite a ligação de 3 sedes de Distrito (quando o PROT-N decidir finalmente ligar Viana-Braga capitais de Distrito que distam 30km e não têm ligação directa, referem o IP9 como ligação, que é uma ligação pior do que recorrer à A28 através da A11) e também a importante centralidade da cidade Chaves, serve portanto aquele que sempre foi o principal eixo de transição Litoral Norte-Interior Norte logo a seguir ao eixo servido pelo IP4, sendo também o traçado mais eficaz para o fazer, ficando em continuidade com as Vias existentes em Espanha, ao contrário do troço do IC5 em questão.

Articulação interna e nível local:
Ao contrário do troço do IC5 que não está em conformidade com as Áreas de Influencia (AI) para funções muito especializadas, definidas pelo INE em 2004, o IP BCB fica em concordância com as IMPORTANTES AI de Braga (até Montalegre-Boticas(MB)), de Chaves (de MB até ao fim do seu município e de Vinhais), de Bragança (desde Chaves-Vinhais até à zona da cidade), este facto pode ser comprovado pelo estudo do INE do qual deixo a seguinte imagem.
http://i245.photobucket.com/albums/gg64/karlussantus/AIfreguesiasBraga.jpg

Resumindo, a possibilidade de execução de um eixo praticamente directo de Viana-Braga-Chaves-Bragança, tem que ser considerada prioritária ao eixo do IC5, porque no âmbito Local, Regional, e Externo é sem qualquer dúvida mais importante, e porque equilibra o Norte Litoral, demasiado centralizado no Grande Porto, onde o eixo através do IC5 mais uma vez irradia do Grande Porto pela A7. Ao nível local este eixo serve também de forma muito mais eficaz os movimentos diários e os movimentos pendulares, do que o IC5 construído.
Resta concluir que no caso particular de Braga, o PROT-N apesar de apregoar a importância como Cidade de Equilíbrio Regional, mais uma vez trata-a não como a principal centralidade do Norte, logo a seguir à AM Porto, mas como uma centralidade de pequena importância, atribuindo-lhe ligações fracas ou indirectas, para o interior, mas também para a restante região, como demonstrarei em emails posteriores.
Por: Carlos Santos

12 agosto, 2009

Mundial de Futebol em Braga? Subsídios para o debate

Antes demais, este evento não deve ser visto como um mero investimento num recinto de Futebol, mas sim como um investimento fundamental para o desenvolvimento, divulgação e internacionalização de Braga e da região. Numa altura em que urge a necessidade de “transformar o emprego” da região, em função da crise/fim dos sectores primários e secundários.
Sendo sério na análise que se faz deste assunto, face à ausência de projectos/estudos sobre o custo da intervenção no Estádio, e a mais valia da organização/realização de jogos do Mundial na cidade, podemos no entanto observar o seguinte:-existência de um investimento prévio de 140M€ com possibilidade de rentabilização;-a realização de um Mundial em Portugal (que ocorrerá talvez à frequência de 1 em cada 100 anos), e que será o evento desportivo máximo que o Estádio poderá receber;-necessidade de um investimento reduzido (~30M€);

Senão vejamos:
-O Estádio Municipal custou 139.870.880€. Segundo a auditoria, do tribunal de contas:
  • Sabendo que as bancadas removíveis do Estádio do Algarve tiveram um custo na ordem dos 6M€ com capacidade para 9.500 lugares, podemos estimar um custo de 10M€ caso sejam precisos 40.000 lugares ou 15M€ caso sejam precisos 44.000 lugares;
  • Tendo em conta que em 2018/22 os Estádios já não estarão propriamente actuais (14/18 anos), veja-se actualmente o exemplo dos Estádios do Itália 90 (19 anos), a precisarem de requalificação, um investimento na modernização do estádio associado ao custo de 15M€, poderá implicar talvez um custo total a rondar os 30M€;
  • Se a obra for comparticipada pelo Estado podem ainda ser supridas algumas debilidades que o actual Estádio apresenta, aparcamento real reduzido, acessibilidades más e infraestruturas de apoio más (nomeadamente para quem acede pelo bairro da Misericórdia), entre outras, que retiram rentabilidade ao recinto;
  • A adicionar aos factores anteriores, a bancada amovível será retirada após o evento, o que permitirá que o Estádio volte à situação inicial, além disso essa bancada removível pode ser concebida por forma a ser montada separadamente em bancadas menores, que poderão ser utilizadas nos mais diversos eventos, podendo ser vendidas/cedidas/alugadas às diversas entidades que realizem espectáculos do género, podendo portanto representar uma mais valia para os eventos realizados no município, e serem rentabilizadas também em Portugal e mesmo noutros países.
  • Tendo em conta que ser uma cidade anfitriã de jogos, projecta internacionalmente a cidade e acarreta um afluxo enorme de turistas e da comunicação social mundial à cidade, com o intuito de assistir aos jogos da fase de grupos (40.000 a 90.000 pessoas), do qual advirá a receita directa deste afluxo, mas também toda a capitalização futura da divulgação proporcionada, facto esse que não acontecerá em qualquer outro cenário, sendo óbvio que o proveito retirado da divulgação é totalmente díspar;
  • A evidência anterior, leva a que em Espanha 22 cidades queiram participar, é portanto extremamente negativo, que a terceira cidade Portuguesa perca esta possibilidade de internacionalização, numa altura em que o Turismo surge cada vez mais como um mercado a explorar por Braga, que devia procurar classificar o seu património, e aproveitar estas oportunidades únicas para o divulgar.
  • A melhor forma de combater o desemprego, face á impossibilidade do sector Primário e Secundário competirem com países onde os trabalhadores não têm qualquer protecção, é precisamente o internacionalizar de Braga, divulgar o seu património, divulgar todas as formas de turismo da região, podendo-se desenvolver uma nova forma de empregabilidade na região e na cidade;
  • Além da realização dos encontros do Mundial, existe sempre a possibilidade de executar/desenvolver um centro de estágio para uma selecção e para posterior utilização, que no entanto em nada se compara com receber jogos, facto já demonstrado;

Em suma, sabendo que é necessário esperar pelos projectos e estudos para se saber ao certo quais os valores envolvidos, parece no entanto mais do que evidente à partida que será um evento extremamente benéfico para a cidade, muito mais do que o próprio Euro.

Este facto apenas se aplica a dois dos sete Estádios com 30.000 lugares que participaram no Euro 2004, precisamente o do Algarve e de Braga, pois podem ser temporariamente ampliados, com um baixo custo.

Por: Carlos Santos

11 agosto, 2009

Quem vai suceder a H. Barreto Nunes na Biblioteca Pública?

H. Barreto Nunes

Na linha das preocupações manifestadas no "Farricoco", recebemos do nosso amigo A. Silva, o seguinte texto para meditação:
saudações, caro Zé!!!
gostava que indagasse acerca do sucessor do director da biblioteca pública....
é um homem para quem um livro é igual a um tijolo de papel ..
é é assim que anda este mundo..

saudações

Nota: Tendo em consideração a novela que se passou aquando da escolha do Director da Biblioteca Lucio Craveiro da Silva....nada é de admirar vindo de onde vem.

08 agosto, 2009

Adjudicações a membros da própria assembleia de freguesia

Após uma construção recheada de peripécias aos mais diversos níveis (isto para não falar da derrapagem orçamental), Mesquita Machado inaugurou no passado dia 31 de Julho a tão esperada piscina em Merelim S. Pedro, que demorou nada mais nada menos que 3 mandatos a construir. Era para ser ao ar livre, passou a piscina coberta e, finalmente voltou à versão inicial.

Segundo consta na localidade, a Junta de freguesia, presidida pelo socialista Nuno Ribeiro, decidiu ENTREGAR a exploração do bar do recinto, a um membro da própria Assembleia de Freguesia, eleito nas listas do PS.

Isto agora é assim? Já não há lugar a concuros públicos?

Será que este membro da AF era o único interessado no negócio? ou será que foi considerado o único com condições ideais para fornecer tal serviço com qualidae, a exemplo do posto de Internet do filho do Presidente da Câmara?

Vergonhoso!! dizem uns. É para bem do povo, dizem os menos esclarecidos.

Corrupção? Jeitos? desenrascansos? Chamem-lhe o que quiserem.

Infelizmente, é este o tipo de autarcas a quem o povo confia os destinos das suas terras.

01 agosto, 2009

E quem é que não é amigo do Henrique?

DESPEDIDA
Tenho 62 anos. Trabalhei 34 anos e oito meses na Universidade do Minho: um ano e meio nos Serviços de Documentação (então instalados no edifício da Biblioteca Pública), um ano na Unidade de Arqueologia (a funcionar no Museu dos Biscaínhos), 32 na Biblioteca Pública de Braga, de que oficialmente fui director de 2000 até hoje. Em Setembro 2006, num momento dramático, a Reitoria pediu-me para também dirigir, provisoriamente, o Arquivo Distrital de Braga. Fiquei ao fim.
Estou cansado, já não me sinto com capacidade para ser responsável por estas duas prestigiadas instituições culturais, em tempos difíceis, com falta de meios e recursos humanos, (o Arquivo Distrital é o segundo mais importante do país, mas não possui um único técnico superior de arquivo), quase sem apoios – embora deva deixar aqui expressa a minha estima pessoal pelo Professor A. Guimarães Rodrigues e a minha gratidão ao Professor José Viriato Capela.
Na Universidade do Minho pertenci ao Conselho Cultural, presidido pelo inesquecível Professor Lúcio Craveiro da Silva, desde a sua criação em 1986, sendo seu secretário, coordenador editorial da revista “Forum” e membro da comissão organizadora do Prémio Victor de Sá de História Contemporânea. Fui membro da Comissão Instaladora da Casa Museu de Monção. Pertenci, por eleição, ao Senado Universitário e à Assembleia da Universidade, de que fui secretário da Mesa. Pertenci ao colégio eleitoral que elegeu o seu primeiro Reitor e, devido a circunstâncias especiais, presidi à Assembleia que elegeu o actual. Estive na origem do processo que conduziu ao Salvamento de Bracara Augusta, surgido na U.M. em finais de 1975, e fui um dos artífices (quer se queira, quer não) da adesão da U.M. à Rede de Leitura Pública, que acompanhei apaixonadamente de 1960 até às vésperas da inauguração da Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva. Colaborei em numerosas iniciativas de Escolas, Institutos, Unidades Culturais, Serviços e da Associação Académica.
Vi partir com saudade Carlos Lloyd Braga e J. Barbosa Romero, Egídio Guimarães, Armindo Cardoso e M. Assunção Vasconcelos, Afonso C. Ferreira e Alice Brito, Francisco Botelho e Hélio O. Alves, Victor de Sá e Santos Simões, Lúcio Craveiro da Silva.

Sinto uma imensa tristeza por deixar a Biblioteca Pública de Braga, os meus amigos-companheiros de trabalho, os seus leitores, os livros, a acção cultural que faz parte da minha respiração, da minha vida.
Ainda tinha tanto que fazer


Braga, Biblioteca Pública, 31 de Julho de 2009


Henrique Barreto Nunes

Só lá faltam as ratazanas!

São vários os mails que recebemos dos nossos leitores, grande parte deles manifestando a angustia que sentem por viverem nesta cidade.
Hoje, não resitimos em publicar um pedido de esclarecimento de uma leitora que amavelmente nos enviou as respectivas fotos, testemunhos da imensa porcaria que grassa pela nossa cidade.

Olá, venho por este meio perguntar-lhe se sabe de quem é a responsabilidade da Limpeza e Manutenção da Circular Externa de Braga., pois por motivos profissionais passo por lá todos os dias, há mais de 1 ano e a verdade é que está uma miséria e um perigo para a segurança dos veículos e seus ocupantes.

O lixo cresce todos os dias, os "rails" de protecção estão em péssimo estado, existe um inclusive, junto à saída para o Feira nova, que está derrubado desde Maio de 2008!!!

Quero reclamar mas não sei a quem!
Obrigada pela atenção.

Com os melhores cumprimentos
Próxima inauguração: Mais um jardim construído no último mandato de MM.

Floresta à moda de Braga. A faixa separadora, está provida de árvores para no futuro fazerem sombra para os automobilistas, aumentando o seu conforto durante o engarrafamentos.
Este rail está desde Maio de 2008 à espera de cabimentação orçamental para ser reparado. Talvez os familiares de certas pessoas possam constituir uma empresa na hora, especialmente vocacionada para ganhar o concurso desta empreitada.
O Sr. Mandante da AGERE, que aos Sábados à tarde costuma passear-se no seu Jaguar, fica desde já convidado a fazer este trajecto e ver a porcaria que grassa por esta cidade.


Sr: Nuno Ribeiro da AGERE: Será que pode esclarecer esta munícipe e contribuinte?

Sr: Presidente da Câmara: Será que é necessário fazer a marcação para a inauguração da operação de limpeza?
Aqui vai o nosso contributo.