28 maio, 2010

O poema de hoje que o Ademar partilharia com os seus alunos

Anónimo disse...
Concordo com: "O poema de hoje que o Ademar partilharia com os seus alunos, fica a cargo de cada um de nós
.". Eu assim farei.
http://fragmentosdebondade.blogspot.com/

27 de Maio de 2010 21:36


Improviso a contado...
Hoje
tinha apenas onze palavras
para escrever um poema
desperdicei-as assim.
(Ademar Ferreira dos Santos)

27 maio, 2010

Debate público - Monte Picoto


O Bloco de Esquerda de Braga vai promover Hoje, quinta-feira, dia 27 de Maio, pelas 21h30, no auditório da Junta de Freguesia de S. Victor, um debate público sobre o novo projecto para o Monte do Picoto, que se encontra em discussão pública.
Com esta iniciativa pretendemos contribuir para esclarecer a população de Braga sobre o que a autarquia se propõe fazer no Monte do Picoto, um território que se reveste de grande simbolismo e para o qual já foram elaborados vários planos e prometidas várias intervenções.

O debate terá como oradores:
Maria Manuel Oliveira, arquitecta, professora da Escola de Arquitectura da Universidade de Minho
Miguel Bandeira, geógrafo, docente do Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho
Jorge Vilela, arquitecto

Em anexo segue o cartaz.

O Convite para participar aqui fica

A Concelhia de Braga do BE

24 maio, 2010

Tributo a Ademar Ferreira dos Santos

Calou-se mais uma voz incómoda.
O desaparecimento súbito de Ademar Ferreira dos Santos, homem de valores e convicções, deixou mais pobre a blogosfera bracarense.
Ao professor, ao escritor, ao jornalista, ao cidadão. Um exemplo de cidadania, da denúncia da corrupção, da defesa dos valores mais altos da democracia.
Fica aqui a nossa justa e sincera homenagem.
O poema de hoje que o Ademar partilharia com os seus alunos, fica a cargo de cada um de nós.


A sua última postagem no Abnoxio, uma espécie morte anunciada, perante aquilo que apenas ele pressentia, pouco antes de nos deixar.

maio 22, 2010
Informação...
Alguns amigos, estranhando o silêncio, perguntam-me se morri. Não tenho passado bem, mas não morrri. Espero ressuscitar...
A todos, agradeço a preocupação...

Ademar

20 maio, 2010

É este um país em crise?


verdade, verdadinha!! DR de ontem... tive que ler isto ontem! podes ver com os teus próprios olhos... basta copiares o link... está do 3º despacho para baixo
http://www.dre.pt/sug/2s/getpartes.asp?s=udr&p=c&dr=96.2010

só param quando isto rebentar mesmo... mas já não falta muito!

ALGUÉM FALOU EM CRISE? o gabinete do PM vai montar uma empresa de Táxis...

DESPACHOS FRESQUINHOS (DE ONTEM) ... ALGUÉM FALOU EM CRISE?


Isto reporta-se a um único Diário da República. Provavelmente houve/haverá mais nomeações.

Além de entradas de pessoal exterior à FP, convém lembrar que os motoristas não se limitam a receber só o vencimento base....

Assim, não há país que resista nem impostos que cheguem!

Despacho n.º 8346/2010. D.R. n.º 96, Série II de 2010-05-18
Presidência do Conselho de Ministros - Secretaria-Geral
Requisita à empresa Deloitte & Touche, Lda., António José Oliveira Figueira, para exercer funções de motorista no Gabinete do Primeiro-Ministro

Despacho n.º 8347/2010. D.R. n.º 96, Série II de 2010-05-18
Presidência do Conselho de Ministros - Secretaria-Geral
Requisita à Associação dos Bombeiros Voluntários de Colares Rui ManuelAlves Pereira, para exercer funções de motorista no Gabinete do Primeiro-Ministro

Despacho n.º 8348/2010. D.R. n.º 96, Série II de 2010-05-18
Presidência do Conselho de Ministros - Secretaria-Geral
Requisita ao Sindicato dos Trabalhadores de Escritório, Comércio, Hotelaria e Serviços Vítor Manuel Gomes Martins Marques Ferreira, para exercer funções de motorista no Gabinete do Primeiro-Ministro

Despacho n.º 8349/2010. D.R. n.º 96, Série II de 2010-05-18

Presidência do Conselho de Ministros - Secretaria-Geral
Designa o agente principal da Polícia de Segurança Pública Augusto Lopes de Andrade para exercer funções de motorista no Gabinete do Primeiro-Ministro

Despacho n.º 8350/2010. D.R. n.º 96, Série II de 2010-05-18
Presidência do Conselho de Ministros - Secretaria-Geral
Requisita à empresa Companhia Carris de Ferro de Lisboa, S. A.,Arnaldo de Oliveira Ferreira, para exercer funções de motorista no Gabinete do Primeiro-Ministro

Despacho n.º 8351/2010. D.R. n.º 96, Série II de 2010-05-18
Presidência do Conselho de Ministros - Secretaria-Geral
Designa o assistente operacional Jorge Martins Morais da Secretaria-Geral do Ministério da Cultura, para exercer funções de motorista no Gabinete do Primeiro-Ministro

Despacho n.º 8352/2010. D.R. n.º 96, Série II de 2010-05-18
Presidência do Conselho de Ministros - Secretaria-Geral
Designa o assistente operacional Jorge Orlando Duarte Vouga do Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social, I. P., para exercer funções de motorista no Gabinete do Primeiro-Ministro

Despacho n.º 8353/2010. D.R. n.º 96, Série II de 2010-05-18
Presidência do Conselho de Ministros - Secretaria-Geral
Designa o agente principal da Polícia de Segurança Pública Jorge Henrique dos Santos Teixeira da Cunha para exercer funções de motorista no Gabinete do Primeiro-Ministro

Despacho n.º 8354/2010. D.R. n.º 96, Série II de 2010-05-18
Presidência do Conselho de Ministros - Secretaria-Geral
Designa a agente principal da Polícia de Segurança Pública Liliana de Brito para exercer funções de apoio administrativo no Gabinete do Primeiro-Ministro

Despacho n.º 8355/2010. D.R. n.º 96, Série II de 2010-05-18
Presidência do Conselho de Ministros - Secretaria-Geral
Designa o agente principal da Polícia de Segurança Pública José Duarte Barroca Delgado para exercer funções de motorista no Gabinete do Primeiro-Ministro

Despacho n.º 8356/2010. D.R. n.º 96, Série II de 2010-05-18

Presidência do Conselho de Ministros - Secretaria-Geral
Designa o agente principal da Polícia de Segurança Pública Manuel
Benjamim Pereira Martinho para exercer funções de motorista no Gabinete do Primeiro-Ministro

Despacho n.º 8357/2010. D.R. n.º 96, Série II de 2010-05-18
Presidência do Conselho de Ministros - Secretaria-Geral
Designa o agente principal da Polícia de Segurança Pública Horácio Paulo Pereira Fernandes para exercer funções de motorista no Gabinete do Primeiro-Ministro

Despacho n.º 8358/2010. D.R. n.º 96, Série II de 2010-05-18
Presidência do Conselho de Ministros - Secretaria-Geral
Designa o agente principal da Polícia de Segurança Pública Custódio Brissos Pinto para exercer funções de motorista no Gabinete do Primeiro-Ministro


É para isto que vou pagar mais 1,5% de IRS?



Em Mirandela, todos acorreram à caça da Playboy. Na EN101, a caça é outra

não se trata da professora Bruna a mostrar os seus dotes

olhó passarinho.... já está




N101 Braga - Vila Verde, e respectiva variante


Aqui estão umas fotos do radar que passa semanas inteiras a aguardar que os condutores ultrapassem os limites de velocidade na variante de Braga em direcção a Vila Verde.

É mais rentável esperar pela chamada caça à multa, escondidos, do que fazer umas patrulhas pelo seguinte motivo:

- enquanto eles andam na estrada o pessoal costuma cumprir a lei só pelo facto de os ver. Isto dá despesas de combustível no carro deles e não lucram.

- ao contrário, eles escondidos não gastam combustível e lucram umas multas. É ou não é mais rentável para o Estado andar à caça do cidadão que trabalha todo o dia
e por azar passou mais rápido um bocado no local errado e na hora errada?

Nestas fotos podemos ver o radar na entrada da variante em Dume para Vila Verde, assim como na entrada de Palmeira e na ponte entre estes dois acessos ao lado do Dolce Vita, pois não vemos o carro de patrulha porque está debaixo da ponte.

Andem devagar e de olhos abertos.

11 maio, 2010

Chamam a isto Guerreiros? Esta escumalha não passa de um bando de tristes arruaceiros e terroristas

Pancada na festa de Braga.

Corpo de intervenção: 1 - Guerreiros: 0

Bastou aparecer uma bandeira do Benfica na Praça da República, em Braga, para que os ânimos se exaltassem de forma descontrolada.

Por:Secundino Cunha (in: Correio da Manhã)

A bandeira foi queimada e quando os dois agentes da PSP que aí se encontravam tentaram intervir começaram a chover garrafas, pedras e cadeiras da esplanada de um dos cafés. Logo então, dois carros com vidros partidos e duas pessoas feridas.

Minutos depois, chegaram reforços policiais, que só com recurso a disparos de balas de borracha conseguiram dispersar a multidão. Um grupo de adeptos do Braga invadiu a Casa do Benfica, na Avenida da Liberdade, destruindo o interior e partindo os vidros da fachada.

Mas o pior aconteceu à saída do túnel que atravessa a cidade, onde adeptos bracarenses partiram vidros, faróis e pára-choques em sete carros. Num deles encontrava-se uma família, com uma criança de sete anos, que ficou em estado de choque. A PSP demorou a controlar a situação.


Alguns comentários:
Estes "arruaceiros" são pessoas que não sabem estar no futebol e têm mau perder...que culpa têm os outros disso? Ainda por cima, pessoas que, se calhar nem tinham nada a ver com os festejos e foram apedrejados e ficaram com danos materiais e morais. Porque não banir estes "arruaceiros"? Um abraço.

Triste! Muito triste!Quem não sabe perder , não mereçe ganhar!!

Não são pessoas, são animais. Corrigo, coitados dos animais... essas pessoas são seres asquerosos.

Assim sim o Povão (POVO) Português mostra a sua raça podem-no roubar enganar humilha-lo fica impávido e sereno mas perder um resultado desportivo aí sim é cruel guerreiro e lutador.

A bandeira dos SLBitas no meio dos adeptos do Braga foi uma provocação tão grosseira que, sem desculpar, permite compreender a indignação dos bracarenses. E só quem for ingénuo ou tiver a compreensão lentificada ou bloqueada, é que também não compreende o sentido de revolta da turba! FORAM TIRAR DESFORÇO NO TÚNEL! O sentimento de que este campeonato não foi propriamente "DE FUTEBOL" mas "DE TÚNEIS" (e outros "subterrâneos"...) veio, daquela forma primária (e certamente não consciencializada) à mente daquela multidão... E foram "VINGAR-SE", simbólicamente, NO TÚNEL!

NOTA:

Já escrevi várias vezes (aqui e qui aqui) sobre estes bandos organizados, apioados pelos clubes. Fui contestado, recebi ameaças e, inclusivé, enviaram-me um nº de telemóvel para eu contactar um tal indivíduo (pelos vistos referenciado pelas autoridades policiais), no sentido de marcar um encontro para discutir o assunto. Mas também houve gente que soube reconhecer estes comportamentos abomináveis e condenáveis, que em nada contribuem para dignificar o desporto em geral e o futebol em particular.

Aquilo a que no final da tarde do passado domingo assiti em directo na TV chocou-me. Ver crianças que foram lá com os pais num ambiente de festa, envolvidas naqueles tumultos e sem culpa alguma, foi traumatizante. Ver património privado a ser destruido de forma gratuída, é inconcebível. Ver viaturas a serem danificadas, é inqualificável.

Tudo isto são comportamentos inadmissíveis nos dias de hoje e dignos de prisão para os prevaricadores.

Agora não me venham com o braguismo, o guerreirismo e etctismo.....

Pelos vistos, o nível intelectual destes vândalos, infelizmente, não dá para mais.

Sei que com esta postagem aticei a fúria desta gente reles e medíocre, mas a verdade, doa a quem doer tem que ser dita.

10 maio, 2010

Documentário sobre as Sete-Fontes, sete anos após a desilusão de meia dúzia e a esperança de milhares

SETE FONTES, BRAGA from ana rodrigues on Vimeo.

Por: Ana Paula Rodrigues
Documentário das sete fontes realizado no sétimo aniversário da nomeação a monumento nacional. Projecto tem diferentes colaboraçõeses académicas dando o seu contributo a uma obra arquitectónica que pertence à junta de freguesia de S. Victor. O esforço tem sido notável tanto na sua divulgação como na procura de meios de preservação tanto a nível de preservarão como da sua existência. Um monumento onde se pode entrar nas entranhas da terra e ver brotar água, além da sua arquitectura singular do sc XVIII, mas com raízes romanas.

07 maio, 2010

Uns roubam gravadores a jornalistas, outros mandam calar o COMANDANTE DA PROTECÇÃO CIVIL...estamos em que país?

Comunicado do Grupo Municipal de Braga do Bloco de Esquerda sobre os incidentes ocorridos ontem à noite (5 de Maio), na audição ao Comandante Distrital da Protecção Civil, promovida pela Comissão Municiapl de Urbanismo, Ambiente, Ordenamento e Protecção Civil, e que levou ao abandono da reunião, como forma de protesto, do deputado do BE, António Lima.

PS CENSURA COMANDANTE DA PROTECÇÃO CIVIL

O grupo Municipal do Bloco de Esquerda repudia de forma veemente a atitude censória do presidente da Comissão Municipal de Urbanismo, Planeamento, Ambiente, Trânsito e Protecção Civil da Assembleia Municipal de Braga que impediu que o Comandante Distrital da Protecção Civil, respondesse a uma pergunta que tinha sido feita pelo líder da bancada municipal do BE, António Lima.

O incidente ocorreu durante a audição pública a Hercílio Campos, que decorreu ontem à noite e que surge na sequência de um conjunto de iniciativas, pedidas pelos partidos da Oposição, com vista à averiguação das condições de segurança e socorro no Concelho de Braga.

O deputado bloquista, António Lima, perguntou ao responsável pela Protecção Civil do Distrito se a sua presença naquela Comissão tinha como finalidade a prestação de esclarecimentos sobre os meios disponíveis e necessários, ou se tinha como objectivo fazer uma elogio à política oficial da Câmara de Braga em matéria de segurança e protecção civil.

Incomodado com o teor da pergunta, o presidente da Comissão, o socialista José Gomes, considerou-a ofensiva e afirmou que não permitia que o comandante distrital respondesse à pergunta, exercendo sem o mínimo pudor um acto censório sobre uma pessoa que tinha sido convidada para esclarecer os deputados municipais.

A pergunta de António Lima surgiu depois de Hercílio Campos ter dado o dito por não dito. Aquele responsável, começou por reconhecer a existência de algumas falhas, como a escassez de bombeiros, de formação adequada, e de viaturas, para depois, questionado pelos deputados do PS, ter dito que os meios eram os necessários.

Para o Grupo Municipal do Bloco de Esquerda a censura exercida sobre o comandante distrital da protecção Civil é mais uma prova do boicote que a maioria socialista tem feito para que se saiba a verdade sobre a situação da segurança em Braga.

O presidente da Comissão, deputado do PS, só admitiria que o comandante distrital falasse se fosse para dizer o que interessa à maioria socialista. Com receio que isso não acontecesse, não teve nenhum pudor em cortar a palavra ao Comandante distrital impedindo-o de responder a uma questão incómoda.

Perante esta lamentável e anti-democrática atitude, o deputado do BE, António Lima, saiu da reunião em protesto pelo sucedido.

Apesar da manifesta incomodidade da maioria do PS na Câmara e na Assembleia Municipal, o Bloco de Esquerda não irá desistir de procurar a verdade e de denunciar a falta de meios para assegurar a segurança e o socorro aos munícipes bracarenses.

O Grupo Municipal do BE na Assembleia Municipal de Braga
.
.
Nota do Bracara Angustia:
Estes são os representantes do povo de Braga, legitimados nas últimas autárquicas.
Se temos gente deste nível à frente dos destinos do nosso concelho, é porque o povo escolheu.
Se temos corruptos incompetentes e ordinários à frente dos destinos do nosso concelho, é porque o povo gosta de ser governado (leia-se humilhado, enxovalhado e vexado) por estes gajos.
Eles roubam mas fazem, é o lema desta gentinha ignorante e burra, que continua a apostar no que há de mais pernicioso na nossa sociedade!
Em Braga não existe défice democrático. Braga já está em falência democrática.
Não foi para isto que foi feito o 25 de Abril.
Precisamos de uma nova revolução: a da cidadania, pois a da democratização falhou.
Zé de Braga
.
PS (post scriptum) - Caro António Lima: certifique-se bem se durante a audição, não lhe roubaram o telemóvel, o mp3, a consola Nintendo, a carteira ou qualquer outra coisa transacionável, pois estes socialistas, de cada vez que as perguntas são incómodas ou quando "não gostam do rumo das entrevistas", agem "irreflectidamente" tipo carteirista. Zás....este já está.

05 maio, 2010

O caso Bragaparques

Vale a pena ler a notícia e o comentário do especialista em direito penal, para compreender que as leis penais em Portugal são "uma teia de renda jurídica cujos fios são tão juntinhos que nada deixam escoar para a condenação".

Lusa/ Sol:
O recurso da Bragaparques, baseia-se, entre outros, num parecer do penalista Costa Andrade para quem, «no direito positivo português vigente não é permitido o recurso a agente encoberto para investigar o crime de corrupção activa para acto lícito, dirigida a um titular de cargo político».
Isto porque - sublinha - «a investigação deste crime não legitima as escutas telefónicas, medida menos invasiva e danosa que só é válida para crimes superiores a três anos».
Observa que «entendimento diferente determinaria a inconstitucionalidade da norma, por violação do princípio da proporcionalidade».
Para Costa Andrade «a ilegalidade da acção encoberta determina a ilegalidade e proibição de valoração das provas que ela tornou possíveis, nomeadamente o teor das gravações das conversas de 24 e 27 de Janeiro de 2006», que Ricardo Sá Fernandes manteve com Domingos
Névoa.
Afirma que foram feitas em violação frontal do Código Processo Penal e da Lei n.º 5/2002 e que sofrem, ainda, de «falta de fundamentação do despacho de autorização e das exigências de acompanhamento e controlo judicial».
«As provas ilícitas são inadmissíveis no processo» , afirma, frisando que Ricardo Sá Fernandes terá incorrido na prática de um crime ao gravar uma conversa privada, em 22 de Janeiro de 2006, sem autorização do interlocutor."

Comentário, via
http://portadaloja.blogspot.com

O problema principal do nosso processo penal é este que está à vista de todos: as exigências e requisitos para recolha e validação das provas de crimes, são tão apertadas e rigorosas que fatalmente acabam no que se tem visto: a absolvição dos poucos corruptos e suspeitos que ainda vão sendo encontrados.
O poder legislativo que engloba pessoas como o professor Costa Andrade, a escola de Direito Penal de Coimbra e agora também a de Lisboa, com a professora Fernanda Palma, durante anos a fio, teceram uma teia de renda jurídica cujos fios são tão juntinhos que nada deixam escoar para a condenação. Fica tudo filtrado na fase de investigação - quando e se tal acontece, o que aliás se vai tornando cada vez mais raro. O que passa, ficará depois retido em recurso e sucessivas aclarações de acórdãos que duram anos e anos a transitar em julgado.
As regras de processo penal, facilitam, incentivam e cerceiam a Justiça, em Portugal, sempre com as melhores razões teóricas, geralmente associadas aos direitos, liberdades e garantias de bandidos e trafulhas. O direito penal português, tem-se transformado num verdadeiro direito penal dos inimigos da sociedade, sempre com o apoio e aplauso daqueles teóricos que assim devem ser denunciados como inimigos da mínimo ético para uma ordem social decente. Inverteram a prioridade de valores, elevando à categoria máxima, os direitos e garantias que impossibilitam a Justiça.
As ideias jurídicas de Costa Andrade e das escolas de Direito Penal português, fixadas em letra de lei, não permitem o combate à corrupção, em Portugal, neste nível da corrupção activa, em caso de acto lícito ou da passiva para acto lícito, também. As molduras penais destes crimes, são meramente simbólicas e o CPP proíbe a utilização de escutas telefónicas em investigação de crimes com pena inferior a três anos de prisão, no geral.
Logo, nestes crimes, é proibido escutar. E como é proibido, se por acaso se escutou por causa de crime de moldura superior, como foi no caso Bragaparques em que o arguido foi pronunciado por corrupção activa para acto ilícito e agora, em julgamento, se mudou para acto lícito, com pena manifestamente inferior, a doutrina de direito penal, agora assente até pelo Tribunal Constitucional ( caso da "fruta" do dirigente do FCPorto), proíbe o uso dessa prova.
Obviamente, os advogados dos arguidos agradecem. Artur Marques, neste caso Bragaparques em que a condenação foi meramente simbólica mas perfeitamente razoável segundo as leis penais que temos, aproveita e como é dever de qualquer advogado, defenderá o seu cliente.
Não adianta mais andar com paliativos jurídicos porque é esta a verdade que todos têm que ver e denunciar: as leis penais protegem estes corruptos e os teóricos do Direito penal aplaudem e emitem pareceres nesse sentido. Há que denunciar isto e tentar mudar este estado de coisas, começando em primeiro lugar por inquirir os teóricos sobre os fundamentos daquilo em que acreditam e nos valores que verdadeiramente defendem e que nos conduzem a estes escândalos evidentes e que só eles parecem não querer ver.
Vejamos as normas aplicáveis. O crime do patrão da Bragaparques, insere-se no artº 374º nº 2 do CP (que não permite o uso de escutas). Na pronúncia, tinha sido incluído no artº 374º nº 1 (que permitia a utilização de escutas):

Artigo 374.º do C. Penal:Corrupção activa
1 - Quem por si, ou por interposta pessoa com o seu consentimento ou ratificação, der ou prometer a funcionário, ou a terceiro com conhecimento daquele, vantagem patrimonial ou não patrimonial que ao funcionário não seja devida, com o fim indicado no artigo 372.º, é punido com pena de prisão de 6 meses a 5 anos.
2 - Se o fim for o indicado no artigo 373.º, o agente é punido com pena de prisão até 6 meses ou com pena de multa até 60 dias.
3 - É correspondentemente aplicável o disposto na alínea b) do artigo 364.º.

E a verdade, doa a quem doa, é que a culpa é de quem faz estas leis e não dos desgraçados que, revoltadamente, as têm que aplicar!